Teatro
Dezembro de 2018
12 cm x 12 cm
74 pp.

Uma porta tem de estar aberta ou fechada

Alfred de Musset | Tradução: André Tavares Marçal

4.50 

«Este conde e esta marquesa que nos têm consigo, fechados numa sala com fronteira nessa maldita porta e o Inverno rugindo gélido lá fora, dão por si precipitados numa dança: o que parecia um momento de nada, dia de receber, dia de tédio para matar, torna-se para eles no derradeiro momento do tudo ou nada. Cada fala precipita acções, tem o condão de constantemente redeterminar proximidade e distância, fazendo-os bailar um tango pouco eficaz (que tão bem reconhecemos) e que os empurra até à inevitabilidade de uma decisão a que chegam mais por uma estranha coincidência no desencontro do que propriamente pela deliberação consciente.»

André Tavares Marçal in Nota do Tradutor

«Este conde e esta marquesa que nos têm consigo, fechados numa sala com fronteira nessa maldita porta e o Inverno rugindo gélido lá fora, dão por si precipitados numa dança: o que parecia um momento de nada, dia de receber, dia de tédio para matar, torna-se para eles no derradeiro momento do tudo ou nada. Cada fala precipita acções, tem o condão de constantemente redeterminar proximidade e distância, fazendo-os bailar um tango pouco eficaz (que tão bem reconhecemos) e que os empurra até à inevitabilidade de uma decisão a que chegam mais por uma estranha coincidência no desencontro do que propriamente pela deliberação consciente.»

André Tavares Marçal in Nota do Tradutor

Quem comprou este produto também comprou

Também pode gostar…

Subscreva a nossa Newsletter

Acompanhe as nossas novidades